Mesa Redonda Brasil 2022

Brasil 2023: Novo começo – Movimentos sociais pós-eleições Palestrantes: João Feres (Observatório do Legislativo - OLB /UERJ), Luciana Furquin Pivato (Terra de direitos), Carlos Campos (Caritas Brasileira), Igor Ribeiro Ferrer (Cáritas Brasileira), Naiara Andreoli Bittencourt (Terra de direitos), Marina Oliveira (defensora de direitos humanos de Brumadinho), António Andrioli (UFFS, CSS), Cacique Jorge Tabajara (advogado do Escritório Ybi), Larissa Moraes (comunidade Quilombola Laranjituba/FASE) Qual é o futuro da democracia brasileira? A Mesa Redonda Brasil 2022 foca nas eleições, que determinarão, qual candidato conduzirá o Brasil nos próximos quatro anos através da profunda crise em que o país se encontra. A avaliação dos resultados das eleições e as primeiras conclusões para o futuro político do país serão o ponto de partida do evento...
Mesa Redonda Brasil 2022
Mural do artista And Santtos em homenagem a Bruno Pereira e Dom Phillips. Fonte: Midia Ninja (CC BY-NC 2.0.)

Programação Mesa Redonda Brasil 2022

Apresentação dos palestrantes

Inscrição para participar

Inscrição presença: 11 de novembro de 2022/ Inscrição online: 22 de novembro de 2022

Qual é o futuro da democracia brasileira?

A Mesa Redonda Brasil 2022 foca nas eleições, que determinarão, qual candidato conduzirá o Brasil nos próximos quatro anos através da profunda crise em que o país se encontra. A avaliação dos resultados das eleições e as primeiras conclusões para o futuro político do país serão o ponto de partida do evento.

Em quem os brasileiros depositarão sua confiança no enfrentamento dos problemas atuais?

A crise econômica foi e é novamente acompanhada da fome, uma pandemia, uma crise sanitária e um agravamento da crise ambiental e climática. Incêndios, desmatamento e invasões em territórios indígenas são politicamente tolerados pela retórica bolsonarista. Numerosas empresas de mineração e ouro estão se expandindo na Amazônia, muitas vezes em áreas legalmente protegidas.

A inflação no país é alta, assim como o desemprego. A pobreza e a fome voltaram como uma experiência na vida cotidiana de muitas pessoas. Mulheres, crianças, negros, indígenas entre outros grupos são particularmente afetados. Apesar das inúmeras iniciativas agroecológicas, o agronegócio nacional continua a segurar as rédeas do desencadear político e econômico.

O país precisa urgentemente de perspectivas inclusivas, de uma superação do racismo cotidiano e de mudanças políticas estruturais. Também precisa de novos parceiros, programas sociais, esclarecimento dos direitos territoriais, garantia da soberania alimentar e maior proteção das áreas florestais relevantes ao clima.


A conferência é bilíngue e será traduzida simultaneamente.